Cuidados paliativos e o Direito internacional dos direitos humanos: o direito universal de não sofrer